quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Sem graça


É estranho este silêncio
da manhã
quando já partiste
e o sol ainda não nasceu

fica sem graça
esta cama vazia
sem a tua presença

uma vaga canção de amor
embala a solidão
e o torpor percorre
todo o meu corpo
numa envolvência
de silêncio

e do vazio da cama
quando tu já partiste
renasce a solidão magoada.


Foto minha.

8 comentários:

continuando assim... disse...

a solidão nunca está só ...

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA PAULA, BELO POEMAONDE NOS MOSTRA COMO MUITA VEZ ESTAMOS SÓS... A TUA FOTO BELÍSSIMA...!
ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Maria Clarinda disse...

EXCELENTE!!!!Paula, belo este teu poema!!!
A foto está na perfeita conjugação com o poema!!!
Jhs

wind disse...

Real, mas bonito:)
Beijos

Mário Margaride disse...

Lindo poema!

Não há nada mais frustrante, do que, um vazio na nossa cama.

Beijinhos

Mário

Laura disse...

Não, a falta da presença, sabendo que ele volta de novo, não magoa, adoça o esperar...Beijinhos, laura..

mfc disse...

A foto não podia ilustrar melhor o teu lindo poema!

Å®t Øf £övë disse...

Paula,
No vazio da cama, o melhor que temos a fazer é revivermos os momentos que acabmos de nela passar.
Beijinhos.