domingo, 15 de novembro de 2009

Dizer-te


Queria dizer-te as palavras
que faltam
se a noite me libertasse,
me invadisse,
extenuante
na prosa enriquecida,
de um caderno antigo.

Queria provocar-te
um doce murmúrio,
um carinho inusual
e que a voz caprichosa
me devolvesse os sons
entre este dizer-te hoje
e esse sempre calar-me.


Foto minha.

10 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

lindo, lindo, lindo....
beijos

Manuela Freitas disse...

Obrigada Paula pela tua poesia!...
Bjinhos,
Manuela

wind disse...

Belos poema e foto.
Beijos

Andradarte disse...

Não costumo vir por aqui....não sei
porquê?
Gostei do jogo de palavras.
Beijo

Jaime A. disse...

Palavr5as muito fortes e sentidas, são estas palavras que fazem farmentar a tua poesia.
Boa semana :)

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA PAULA, GOSTEI AMIGA... FOTO E POEMA ... SUBLIMES... ABRAÇOS DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Déia disse...

Oiiiiiiiii
Amei...mas não se cale não..

Que foto fantástica, que ângulo, heim?

Agradeço seu carinho lá no Divã!

bjinhos

Mário Margaride disse...

Palavras sentidas, que o coração grita.

Beijinhos e boa semana!

Mário

Maria Clarinda disse...

Lindo o poema e a foto, Paula!
Jhs

Viajantis disse...

dizer sempre....não calar, não guardar, não amordaçar...