sábado, 5 de setembro de 2009

Câmara

Talvez me apeteça
rever o filme
de trás para a frente

em câmara lenta
e concluir
que a ideia inicial
foi o final imprevisto
de uma câmara obsoleta

de um sentimento
sem precauções
ou de uma
improvisada sessão
feita de retalhos
mal alinhavados.

8 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Acho incrível esta tua criatividade! Talvez se começássemos tudo pelo fim, entenderíamos melhor algumas coisas, e ainda mudássemos o começo...
beijo, ótimo final de semana

wind disse...

Nem sempre tudo corre como nós gostaríamos que corresse...
Beijos

Osvaldo disse...

Também na vida e nos filmes, por vezes é melhor começar pelo fim para evitar surpresas.

É que a vida às vezes prega-nos cá uma "peça"!...

bjs, Paula.
Osvaldo

Ana Oliveira disse...

Às vezes só o final nos mostra que outro começo nos levaria onde queriamos estar...às vezes estamos mesmo onde queremos, para além dos retalhos que a vida nos faz viver.

Bom fim de semana.

Um beijo

Ana

mfc disse...

pois... com a câmara isso é possível!

Vanessa. disse...

Sempre maravilhosas as palavras que por aqui se lêem!

Débra disse...

está mesmo bonito :)
desculpa a invasão.

Maria Clarinda disse...

Tanto a máquina obsoleta, como os retalhos ainda dão por vezes coisa bonitas...a ti...deram-te este poema maravilhos. Jhs