segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Côr cinza

Ainda mais cinza se torna
o correr das horas
que se vão repartindo
pelo ritmo de um domingo
igual a tantos outros,
a ausência permanente
e a saudade
de te ter presente,
cinzento o dia,
cinzenta a alma
e o peito, as mãos,
as cinzas minhas.

4 comentários:

wind disse...

Dark.
Beijos

PreDatado disse...

Mais um blog seu que acabei de descobrir. :)

FERNANDA & POEMAS disse...

Querida Paula, mais um belo poema, de saudade... Gostei!... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Viajantis disse...

"ausencia permamente e a saudade de te ter presente"....

Bonito!