quinta-feira, 16 de julho de 2009

Sentidos

Se te invento agora
é porque o momento
chegou

e em magia e luz
a nossa vida transforma
um imenso areal
em sons azuis
de sonhos possíveis

e um distante roçar
de corpos
num perto devaneio
dos sentidos.

8 comentários:

Maria Clarinda disse...

Mais um poema daqueles que as entrelinhas nos deixam vaguear por entre elas...lindo!!!
Jinhos

Isabel José António disse...

Querida Amiga Paula,

Lindíssimo o que se diz nas entrelinhas. Que subtileza. Muitos parabéns.


Um grande abraço

José António

wind disse...

Os sonhos e os sentidos num poema de corpos:)
Gostei:)
Beijos

PreDatado disse...

Roçar ao longe o corpo e senti-lo ao perto. É também um império de sentidos.

Sereia* disse...

'Se te invento agora
é porque o momento
chegou'

Estes momentos são fantásticos. Acolhemos a chegada luminosa de cada letra desamparada que se junta a uma irmã desconhecida com a qual se cruzou já tantas vezes em vidas passadas. E Letra a letra, as palavras vão nascendo em cada momento.
É magia, sim. E o nascimento das palavras é lindo de se ler.

No momento certo, a luz, o sonho, o corpo e... por fim... os sentidos que se juntam a comemorar!

Poema perfeito!
Beijos Azuis*

Å®t Øf £övë disse...

Paula,
Quando algo ou alguém nos toca os sentidos... hummmm...

:)

Beijinhos.

prafrente disse...

"se te invento agora"...

Não precisas inventar...aproveita para viveres a realidade...

E o perto roçar de corpos, num rodopio de sentidos, será uma constante da vida, tão concreta e definida...

beijo grande

Sonia Schmorantz disse...

Linda invenção!
beijos