quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

25 - O edifício das palavras de Vieira Calado


Já não é a 1ª vez que transcrevo um poema do meu Amigo Vieira Calado porque ele consegue dizer o que nós queremos dizer.

Este poema é do seu último livro 'Itinerário' da Edium Editores, Novembro de 2008, pág.40.

O edifício das palavras,
o projecto inerente à ideia
e aos degraus da leitura,

o processo linear dos sons
e dos afectos

um pouco de embriaguês
para questionar as sombras e a luz

eis a explosão programada

o poema

a desobediência aos mistérios
no desassossego e na emoção
de dizer o indizível

à luz do dia.


A foto que escolhi é do Viajantis

14 comentários:

Eduardo Aleixo disse...

Curiosas as coincidências, Paula. Tinha este poema para postar, amanhã. Mas deixa lá: ele tem mais poemas. E bonitos. Mas que é ciurioso, é. Abraço para ti e para ele. Eduardo

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Obrigadíssimo pelo poema.

Vai o seu endereço para a minha lista (a postar) de blogs que falaram de mim.

Beijinhossss

FERNANDA & POEMAS disse...

Querida Paula, o nosso Amigo Vieira Calado, escreve maravilhosamente bem... tenho literalmente devorado, os livros que trouxe no dia do lançamento deste... Parabéns pela escolha... Parabéns também ao Viajantes pela
belíssima foto... Um abraço de carinho para ti...
Fernandinha

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clarinda Galante disse...

E aqui está o n/ Vieira Calado num dos poemas que eu também estou plenamente de acordo contigo, em que o indízivel está todo ali...em forma de poema.
Ficou lindo, a fotografia do Viajantis ainda lhe deu mais força.

Uma partilha muito bela. Um beijo para o Vieira Calado.
Para ti jinhos mil no teu coração!!!!

O Profeta disse...

Um bonito poema de um grande poeta amigo...


Doce beijo

Vanessa. disse...

Belíssimo poema!

wind disse...

Gostei.
Beijos

viajante disse...

O poema

....

....

à luz do dia.

Gleidston dias disse...

Belissimo poema,palavras que descrevem muitissimo bem as vivencias.

Um otimo dia pra voce Paula.

big bjss.

A. João Soares disse...

Não sou poeta, o que não significa ausência de sensibilidade. Um poeta sabe dizer coisas comuns de forma elevada que nos estimula o pensamento, o reparo em pormenores que nos passavam despercebidos. Este panorama da arte de versejar aqui descrito é uma beleza.
Quem me dera que eu o fosse!!!
Cumprimentos
João

PreDatado disse...

O Vieira é muito bom poeta.

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Olá,
Como é verão aqui em Florianópolis SC, muitos turistas na ilha, e eu trabalho diretamente com turismo estou com pouco tempo, então só passo para uma visita rápida e ver as novidades.
Um grande abraço

Viajantis disse...

Um Poema é uma forma de gritar a dor de uma paixão, a alegria de um amor....